Panquecas de leguminosas

  • ago 16, 2018

As leguminosas… para muitas de nós algo desconhecido antes do início do processo de desmame. Começam a ser feitas as primeiras papinhas e temos que nos manobrar em meio a feijões azuki, lentilhas vermelhas descascadas e grãos de bico quando, até pouco tempo atrás, as únicas leguminosas que entravam em nossa dieta eram as lentilhas comuns na virada do ano. Isso para não falar de nossos maridos, que literalmente dão TILT quando abrem nossa nova despensa, ou quando deixamos para eles a tarefa de montar o jantar de nossos filhinhos.

Se, no entanto, assim como eu vocês são entusiastas de nutrição, ou mães de segunda viagem (ou mais), então é provável que já saibam apreciá-las e cozinhá-las ao seu melhor, inserindo-as aqui e ali na dieta de toda a família. Para dizer a verdade, se tenho conhecimento das leguminosas é mérito do Brasil. Desde que moro no Rio, adotei alegremente a cultura do prato único à base de arroz e feijão, que representa um mix proteico completo e maravilhoso, comparável às proteínas de origem animal. Com a minha transição para a dieta vegetariana, acabei realmente redescobrindo as leguminosas e entendendo todas as suas variações, e aprendi como cozinhá-las da melhor maneira e porque o remolho as deixa mais digeríveis.

Neste post, vou propor a receita das panquecas de leguminosas, com as quais você poderá dar asas à sua imaginação e criar todas as combinações possíveis de farinhas de leguminosas e cereais. Também é uma receita perfeita para usar todas as farinhas de cereais para as primeiras papinhas que começam a orbitar nossas despensas assim que nossos filhotes passam para uma dieta mais sólida.

As farinhas de leguminosas (grão de bico, lentilha, feijão, ervilha, fava e tremoço) representam uma alternativa com maior conteúdo proteico do que as farinhas de cereais. Além do mais, mesmo sendo ricas em carboidratos (em uma quantidade maior que suas proteínas vegetais, inclusive!), as leguminosas possuem um índice glicêmico inferior em relação aos cereais e são ricas em fibras, como já disse. Não por acaso, as farinhas certificadas como “sem glúten” são apropriadas para os celíacos e os que têm intolerância ao glúten.

Gostamos tanto destas panquecas justamente por serem bem fáceis de preparar, basta se munir de uma boa frigideira antiaderente! A versão básica consiste em juntar uma parte de farinha de leguminosas (grão de bico, lentilha, feijão, ervilha, fava e tremoço) com uma parte de água até obter uma mistura mais para líquida. Você pode simplesmente misturar os dois ingredientes em uma tigela ou, como eu faço, batê-los com um mixer até obter uma massa espumosa. Como alternativa à farinha de leguminosas pura, você pode criar um mix com as farinhas de cereais (farro, arroz, trigo sarraceno, aveia, quinoa e trigo). As farinhas de cereais integrais contêm quantidade de fibras que variam dependendo do cereal, e com um rodízio semanal é possível evitar o excesso de fibras na alimentação dos pequenos.

Panquecas de leguminosas

Com esta base você já pode preparar panquecas incríveis e usá-las para substituir o pão na hora de consumir cremes doces e salgados, perfeitos desde o processo natural de desmame! Depois, você pode adicionar todas as variações, como vamos sugerir na receita abaixo, como sal ou adoçantes (melhor se forem só de fruta, como a banana madura ou maçã cozida), manteigas de frutas oleaginosas e até mesmo uma pitada de fermento natural para torná-las mais macias. Você pode, por fim, ajustar a quantidade de água para obter uma massa mais densa, para espalhar com uma colher na frigideira e fazer panquecas fininhas, ou então uma massa mais líquida, para simplesmente despejar na frigideira e fazer uns crepes.

Panquecas de leguminosas

Ingredientes

    Para a base:
  • 1 xicrinha de farinha de leguminosas – a partir dos 6 meses de idade
  • 1 xicrinha de água
    Adições para variar:
  • 1 banana madura ou um purê de maçã caseiro, diminuindo a quantidade de água – a partir dos 6 meses de idade
  • 1 colher de sopa de azeite de oliva extravirgem ou uma colherinha de manteiga de amêndoas, tahine, etc. – a partir dos 6 meses de idade

Modo de preparo

Bata os ingredientes usando um mixer com a lâmina "S" até obter uma massa espumosa. Coloque uma colher de massa em uma frigideira antiaderente preaquecida e levemente untada com azeite de oliva extravirgem, e deixe cozinhar por um minutinho de cada lado, girando as panquecas uma vez. Coma de uma vez, assim que esfriarem um pouco!

Em teoria a massa não precisa de descanso, mas se você quiser prepará-la no dia anterior ou se sobrar e quiser guardá-la na geladeira, aconselho batê-la outra vez antes de usá-la.

http://pomarioblog.com/pt/panquecas-de-leguminosas/

Aqui estão alguns exemplos de variações de que mais gostamos:

Panquecas de farinhas mistas:

½ xicrinha de farinha de grão de bico ou outra leguminosa

½ xicrinha de farinha de trigo sarraceno ou outro cereal

1 xicrinha de água

 

Panquecas de aveia e banana:

½ xicrinha de grão de bico ou outra leguminosa

½ xicrinha de farinha ou flocos de aveia

½ xicrinha de água

1 banana madura pequena

 

Panquecas estilo “Piadine”:

½ xicrinha de farinha de lentilhas ou outra leguminosa

½ xicrinha de farinha de trigo

1 xicrinha de água

1 colher de sopa de azeite de oliva extravirgem

1 pitada de sal

 

Panquecas de espinafre

1 xicrinha de grão de bico ou outra leguminosa

1 xicrinha de água

1 punhado de espinafre

1 pitada de sal

1 pitada de fermento natural

**as quantidades descritas podem ser medidas com qualquer xicrinha de café!

Panquecas de leguminosas

Precauções importantes:

Alimentos para evitar durante o desmame: açúcar (sobre o assunto já escrevi o post como reconhecer o açúcar em tudo aquilo que compramos), mel (pode desencadear botulismo infantil), sal (pelo menos até os 12 meses de idade, pode ser usado em pequenas quantidades por crianças em desmame natural e que experimentam os alimentos dos pratos dos pais, desde que eles se acostumem a usá-lo com muita parcimônia, ou aprendam a comer sem sal), frutos do mar, carnes vermelhas elaboradas (como o presunto cozido ou cru) e, por fim, cogumelos.

Evitar todos os produtos que excluiríamos ao usarmos um pouco de bom senso, como, por exemplo: bebidas gasosas, café, balas, biscoitos e lanches industrializados, alimentos embalados ou que contenham conservantes e corantes.

Adquirir, quando possível, alimentos orgânicos ou consumir aqueles cultivados por um agricultor de confiança, ou, então, colhidos na própria horta no caso de quem é sortudo o bastante para ter uma. Oferecer aos nossos filhotes apenas verduras da estação e que sejam, de preferência, km zero.

Para os alimento alergênicos, como as manteigas de frutas oleaginosas da nossa receita, lembramos que desde 2018  o ESPGHAN (The European Society for Paediatric Gastroenterology Hepatology and Nutrition) demonstra que esses alimentos podem ser introduzidos assim que começar o desmame para estimular a tolerância por parte do organismo, especialmente se for de forma simultânea com o aleitamento materno, iniciando com pequenas provas e aumentando as quantidades de forma gradual. Foi comprovado, inclusive, que este comportamento seria capaz de reduzir a probabilidade de que crianças com pais alérgicos a determinados alimentos desenvolvam as mesmas alergias.

Condivi - Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um comentário